Banner 728x90

Compartilhe!

Arco de Tito - Roma

Roma a cidade eterna. Outrora capital de um poderosíssimo império, hoje invadida por hordas de turistas. Eles vêm de todas as partes e alguns até possuem estandartes, principalmente os chineses. Na frente ele vai com sua bandeira, presa a uma anteninha, seguido pelos incansáveis batedores de fotos com mancha de molho no colarinho.

E existe conflito. No restaurante se você corta o macarrão com a faca, soa um alarme e imediatamente aparece o dono do restaurante, gesticulando: “Ma che?! Pazzo!” e leva seu prato embora trazendo a conta pelo seu desrespeito.

E cuidado. A máfia anda a solta por lá. Nas imediações do Termini, o grande terminal de trem da cidade, mafiosos perigosos se disfarçam de taxistas e decidem quem vai com quem em cada veículo. Mas não adianta perguntar aos italianos, pelo código de ética desde a época romana, eles sempre negarão, e com um sorrisinho no rosto dirão: “la mafia non esiste”.

Foi neste cenário histórico de impérios caídos e mafiosos perigosos que desci em Roma. Fiquei pertinho ao Termini, já era tarde da noite e caminhei com atenção pelas ruas históricas.

Piazza Spagna, Piazza del Popolo, Fontana di Trevi

Na manhã seguinte, como um cavaleiro Brancaleonico, marchei até o centro de Roma na esperança de captar com a minha visão, tão reconhecidos monumentos.

Mas… parece que não só os invasores asiáticos estão tomando Roma. Os publicitários e os departamentos de marketing, já se apossaram dos monumentos.

A Piazza Spagna, Piazza del Popolo, Fontana di Trevi, todas estavam cobertas de propagandas sob a desculpa de reformas. Será verdade ou era mais uma das tramóias típicas italianas? Talvez devesse cortar um macarrão com a faca e o cara do restaurante resolveria tudo pelo bem da Itália.

Piazza Spagna
Estamos em reforma, por isso compre o relógio do 007 – escadaria da Piazza Spagna
Estamos em reforma por isso compre nossa calça jeans – Fontana de Trevi
Ei você aí que tá seguindo a bandeirinha! Estamos em reforma por isso compre nosso celular. É chinês mas com design italiano. É tutti nostro! – Piazza del Popolo (reparem como o arquiteto que projetou essa praça tinha a mente suja, “duas bolas” e um “mastro” no meio, ma che?! Figlio duna putana!

Mas nem tudo está perdido, ainda restaram relíquias intactas das mãos sujas do marketing mafioso.

Piazza Spagna
Piazza Spagna
Fonte della Barcaccia
Fonte della Barcaccia . Umas das inúmeras fontes espalhadas por Roma. Essa linda fonte foi projetada por Bernini
Fontana de Trevi - Roma
A Fontana de Trevi seca para reforma. Dei azar e não pude jogar uma moedinha. Deve ser por isso que acabei sem dinheiro.
Fontana Della Dea Di Roma, na Piazza del Popolo
Fontana Della Dea Di Roma, na Piazza del Popolo
As igrejas gêmeas. A direita a de Santa Maria del Miracolo e a esquerda a Santa Maria del Popolo.
As igrejas gêmeas. A direita a de Santa Maria del Miracolo e a esquerda a Santa Maria del Popolo. Dentre as várias reformas que receberam se destaca a feita por Bernini em 1660. Nelas estão obras de Caravaggio, afrescos de Pinturicchio e esculturas do arquiteto Bernini.

Panteão

Sem me deixar abater segui firme até o Panteão. Fantástica construção de mais de dois mil anos! Hoje não se tem um consenso da finalidade do prédio quando erguido. Ele foi construído pelo Imperador Agripa entre 29 e 19 a.c. O prédio foi destruído num incêndio em 80 d.c., reconstruído e queimou novamente em 110, sendo reconstruído por Adriano e está lá até hoje.  Em 609 o prédio foi dado ao papado que o consagrou em igreja, o que certamente foi o motivo de ele estar em pé até hoje. Esse prédio, que atravessou séculos, tem uma história maravilhosa e vale a pena ler aqui o que aconteceu.

Panteon - Roma
Uma construção dessa no meio de uma cidade é realmente impressionante. A praça se tornou uma mistura de estilos arquitetonicos que milagrosamente combinam.

 

Panteão - Roma
Se especula que o prédio pode ter sido um templo para todos os deuses mas hoje foram somente os santos que ficaram.
Panteão - Roma
A espetacular cúpula, até hoje, depois de dois mil anos, é a maior cúpula de concreto não reforçado do mundo. O mais intrigante é que ela é aberta e por isso chove dentro do Panteão. Ela ainda tinha um acabamento em bronze que foi arrancado e derretido no século XVII para fazer canhões e outras obras para a igreja.
Panteão - Roma
Como chove dentro do Panteão existe um sistema de escoamento da água, são esses buraquinhos no chão.
Panteão - Roma
Uma obra prima da arquitetura!

Basílica de Santa Maria de Sopra Minerva

Eu já contei a história de Santa Caterina de Siena aqui e de como sua cabeça, dedo e pé foi separado do seu corpo e espalhado pela Itália. E não é que sem querer eu encontrei o corpo dela aqui em Roma? Depois que saí do Panteão dou com uma placa falando da igreja e que o corpo da Santa tava lá dentro.

Não tive dúvidas, entrei para conferir o que restou da coitada da Santa mutilada. Olha o que encontrei:

Sepulcro de Santa Caterina de Siena
Sepulcro de Santa Caterina de Siena. Talvez para não chocar os fiéis o túmulo está completo, com cabeça, pé e dedo.

A basílica é bonita mas a concorrência em Roma é muito grande e como ela fica atrás do Panteão, ninguém a visita, só os fiéis mesmo. Mas para mim foi muito interessante para fechar a história um tanto bizarra sobre a Santa.

Basílica de Santa Maria Sopra Minerva
Basílica de Santa Maria Sopra Minerva

Piazza Navona, Altare della Pátria

Seguindo minha caçada incansável a história romana, chego a outra praça famosa: a Piazza Navona. Além das fontes belíssimas, é nessa famosa praça que o governo brasileiro, durante o mandato do Juscelino Kubitschek, comprou o palácio Pamphilj ao custo de 1 milhão de dólares, uma bela fortuna para a época, para ser a embaixada brasileira. O lugar pode ser visitado gratuitamente, basta agendar (apenas uma vez por semana).

Mas pra quê comprar um palácio para ser uma embaixada? Porque gastar o nosso dinheiro para manter um patrimônio italiano, sabendo como o patrimônio brasileiro sempre foi desprezado? Se não foi por safadeza é no mínimo estupidez. Ma che, stronzo! Figlio dun cane! Farabutto!

Piazza Navona - Roma
Olha a bandeirinha aí no cantinho. Ah, porco cane!
Fontana Del Quattro Fiumi - Roma
Fontana Del Quattro Fiumi, projeto de Bernini
Fontana Del Moro - Roma
Mais uma fonte com bingulim de fora. Projetada por Giacomo della Porta com a inclusão da estátua do Mouro de Bernini. O cara tá em todas.

Indo em direção a Roma antiga chego a um monumento curioso, o Altare della Patria, e porque curioso? Ele parece antigo mas na verdade é muito recente para os padrões de Roma. o Altare della Patria é uma homenagem ao primeiro rei da unificação italiana, Vittorio Emanuele II, sua construção se iniciou em 1885 e terminou em 1911 e ela realmente é meio estranha. Apesar de bonita tem um aspecto de falsa se comparada a todos os outros monumentos dessa cidade e os romanos não tem grande apreço por ela, mesmo sendo o maior monumento de Roma.

Altare della Patria - Roma
Altare della Patria – exagero!

O Altare della Patria já fica de frente para a Via dei Fori Imperiali, a avenida que está ao lado de todo o foro romano e termina no Coliseu. Vi o pôr do sol por ali pra voltar no dia seguinte.

Entardecer em Roma
No fim da tarde, entre ruínas de um império caído

Coliseu

Acordei cedinho para evitar as famosas filas imensas do Coliseu. Deu certo.

Coliseu - Roma
Debaixo das arcadas do Coliseu. Entrando no mito.

Símbolo de Roma, é nesse lugar onde muito sangue de inocentes foi derramado (e de outros não tão inocentes). Ver uma construção tão antiga com esse tamanho e engenhosidade é realmente impressionante.

Visão interna do Coliseu - Roma
Há quase dois mil anos um anfiteatro era o centro de entretenimento de um povo com sede de sangue. No Anfiteatro Flaviano, o nome do Coliseu, eram travadas batalhas de gladiadores, caça de animais selvagens, encenações de batalhas, inclusive batalhas marítimas quando o Coliseu era inundado (já imaginou que coisa espetacular?). Se hoje o Coliseu ainda nos impressiona, imagina o impacto que ele tinha no povo daquela época.

Por isso ele é símbolo de uma era, de um império poderosíssimo que como tudo o que existe, tem seu nascimento, apogeu e inevitável morte. Andar pelo Coliseu e por todas as ruínas romanas é de certa forma como olhar um esqueleto num caixão.

Coliseu - Roma
Onde ficavam todos os tipos de animais sob o palco do Coliseu. Leões, tigres, cavalos, gladiadores…

Depois da queda do império romano o Coliseu foi usado para diversos fins, saqueado, sofreu com terremotos e ficou parcialmente arruinado mas ainda mantém a magia.

Coliseu - Roma
Iluminado a noite fica mais bonito

Foro Romano

Dá pra resumir o Foro Romano como o centro de toda a Roma antiga. Neste espaço estão as ruínas dos principais prédios que formavam o centro de poder romano. Senado, os gabinetes do estado, tribunais, templos, monumentos se espalham por essa praça enorme.

É como caminhar entre um cemitério com os seus ossos expostos. O que restou do que um dia foi o apogeu.

Arco de Tito - Roma
Logo na entrada já temos o Arco de Tito. A prova de que há séculos os governantes só pensam em alimentar o próprio ego.
Foro Romano - Roma
Uma visão geral do Foro
Jorge Cruney na velha Roma
Jorge Cruney na velha Roma
Foro Romano - Roma
Dá vontade de entrar numa máquina do tempo pra voltar e ver como era tudo isso
Arco de Septimio - Roma
Em primeiro plano o Arco de Septimio

Circo Massimo

Atrás de toda a área do foro romano fica o pouco que sobrou do Circo Massimo, o lugar das perigosas corridas de bigas. Hoje é só um descampado com uma ruína da torre mas fiquei um tempo imaginando como seriam essas corridas (Ben Hur ajudou, hehe)

Circo Massimo - Roma
Circo Massimo hoje…
Circo Massimo - Roma
…Circo Massimo ontem, bemmm ontem

Vaticano, Basílica de São Pedro

Após minha exploração pelas ruínas do antigo império decidi visitar a opulência de um atual império: a igreja católica. Eu sou um ex-católico, convertido em agnóstico ateísta por mim mesmo e pago para não entrar em discussões religiosas (de longe as mais sem sentido que possam existir).

Mas sou um admirador de templos, de todas as religiões. A espiritualidade e tudo o que vem ligada a ela me fascina. E a Itália possui igrejas fabulosas. Uma delas sem dúvidas é São Pedro, no Vaticano.

São Pedro não é uma igreja para Deus, nem para santos, nem mesmo para Jesus. São Pedro é a igreja para os papas. Os bons e os canalhas, e a igreja católica teve mais canalhas do que bons.

Porém, à parte a canalhice de gastar fortunas para um templo em homenagem a homens comuns em detrimento aos fiéis famintos, os artistas que construíram tudo isso eram geniais. A praça e suas colunas foi projetada por Bernini (o queridinho dos papas), a igreja em si teve vários projetos e artistas que trabalharam nela: Bramante, Rafael Sanzio e o que determinou o projeto final e sua espetacular cúpula:  Michelângelo.

Praça de São Pedro - Roma
As colunas que circundam a praça de São Pedro

 

Basílica de São Pedro - Roma
A imponente basílica de São Pedro e sua praça
Cúpula da Basílica de São Pedro - Vaticano
A fabulosa cúpula de Michelângelo. Mesmo pesando toneladas ainda parece flutuar sobre nossas cabeças.
Tudo é monumental nessa igreja, o altar papal e seu baldaquino de bronze de 30 metros de altura! O bronze veio do teto do Panteão, fazendo com isso o povo de Roma dizer: “O que os bárbaros não conseguiram fazer, fizeram os Barberini” – Barberini o papa Urbano VIII. Feito por Bernini.
Basílica de São Pedro - Vaticano
Teto na nave principal
Basílica de São Pedro - Roma
Ao invés de santos, papas para todos os lados
Pietá de Michelângelo
Dentro da Basílica está a mais bela escultura de Michelângelo – La Pietá. A foto não ficou boa porque depois que um maluco deu uma marretada na escultura ela fica cercada e dentro de um vidro blindado. Mas coloquei uma foto da Wikicommons abaixo para te dar vontade de ver essa maravilha de perto.
Pietá
Foto – Juan M Romero – Wiki Commons
Basílica de São Pedro - Roma
Tá vendo as cabecinhas ali embaixo? Pois é, parecem soldadinhos e chumbo dentro do gigantismo dessa igreja.

Depois da visita a basílica decidi dar um passeio por Roma, passei em frente ao Castelo de Sant Angelo e fui caminhando até o bairro de Trastevere.

Rio Tibre - Roma
O rio Tibre

Villa Borghese

Não muito longe do hostel ficava a Villa Borghese, hoje um parque e onde fica a galeria Borghese com várias obras de arte. Era um domingo, acordei cedo e resolvi dar uma relaxada lá.

Villa Borghese - Roma

Laguinho tranquilo na Villa Borghese

Roma
Cruzando o parque você tem uma bela vista de Roma e da Piazza del Popolo
Villa Borghese - Roma
Tem até homenagem a São Paulo lá

Futebol em Roma – Estádio Olímpico

No meu quarto no hostel tinha dois brasileiros. Me falaram que teria um jogo, Lazio e Milan, e que tinham pago 20 euros na entrada. Eu tava muito afim de ver um jogo na Europa, o preço tava bom então fui no lugar que compraram e combinei com eles de encontrá-los no jogo. Quem disse que encontrei?

Panini em Roma
Aqui é pão com linguiça, lá é panini, perto do estádio Olímpico de Roma
Estádio Olímpico de Roma
Até no estacionamento tem estátua com o bingulim de fora, tá louco!

Para variar a Lazio tomou uma surra do Milan em casa por 3 a 0. O engraçado é que o comportamento é o mesmo daqui, só muda o idioma (e não tem psicopata disfarçado de torcedor). Antes do jogo todo mundo canta, aplaude o jogador, incentiva.

Começa o jogo e o futebolzinho chinfrim da Lazio acaba com a paciência do povo e daí a italianada solta os cachorros: reclama, xinga, fica nervoso. O principal alvo é o técnico: stronzo! Va fanculo! E outros xingamentos que eu não entendi.

Museu do Vaticano

No meu último dia fui a um dos mais famosos museus do mundo. O museu do Vaticano. Cheio de obras primas da renascença, tem em seu interior o mais famoso afresco do planeta na Capela Sistina. Dá uma conferida:

Museu do Vaticano
Jardim de entrada do museu

Corredor museu do Vaticano

Os espetaculares corredores do museu do Vaticano

A escola de Atenas – a mais famosa obra de Rafael. Meu irmão tem um livro sobre história da arte e me lembro como explicava em detalhes essa pintura. Fiquei um bom tempo admirando essa pintura e lembrando (ou pelo menos tentando) todas as referências e detalhes que Rafael colocou num só quadro e que ilustra com perfeição toda uma época. O melhor é que o povo nem dava bola, passava batido pela sala e fiquei um tempão admirando. No centro estão Platão e Aristóteles. Platão aponta para o alto representando o mundo das idéias e Aristóteles está com a mão espalmada para baixo representando o mundo terrestre. Além deles estão representados outros pensadores como Pitágoras, Sócrates, Euclides, Epicuro e vai embora.
O incêndio de Borgo - Museu do Vaticano
O incêndio de Borgo, outra grande pintura de Rafael. Existe toda uma área no museu só com pinturas dele. São quatro salas onde em cada parede tem uma pintura que representa uma cena histórica, religiosa ou da arte. Minha parte preferida no museu.

Todo mundo pode aproveitar a beleza de um museu como esse mas para realmente entender tudo o que se propõe essas obras é preciso tempo e muito estudo. Vale a pena antes de ir, fazer uma pesquisa sobre as obras que você encontrará e todo o contexto que as envolve.

A quantidade de referências é gigantesca e saber que cada pincelada teve um propósito além de ser apenas bonita dá uma dimensão muito maior da genialidade de cada artista.

Capela Sistina
Uma das mais famosas pinturas do mundo. O teto da Capela Sistina, onde Michelângelo pintou o momento onde Deus deu vida ao homem. Não dá pra entender porque é possível tirar fotos por todo o museu menos na Capela. Daí fica uns guardas o tempo todo falando: No photo! No photo! Como um garotinho tentando treinar um cachorro teimoso. Um cachorro não, uma horda! Além disso a Capela é o local onde os cardeais se reúnem para escolher o Papa! Eu não resisti e tirei uma fotinha safada só pra fazer inveja pros outros. Já que eu estava numa Capela já perdi perdão na hora e tá tudo certo.
Rampa do vaticano
Na saída ainda tem essa rampa maravilhosa! Eita que esses italianos sabem construir coisas bonitas!
Rampa do Museu do Vaticano
Lá debaixo também é lindo!

A máfia

E aqui vou contar minha experiência com a máfia! Depois de Roma fui até a Sicília e passei um ótimo tempo por lá, mas ia para a Grécia e os voos mais baratos partiam de Roma.

Eu estava em Catânia, pegaria um voo até o aeroporto de Fiumicino e teria que trocar de aeroporto indo até Ciampino. Acontece que o voo de Catânia para Roma atrasou e eu acabei passando a noite no aeroporto de Fiumicino. Não tinha como sair de lá e o outro voo era pela manhã. Claro que não era só eu e acabei fazendo amizade com outros pobres coitados na mesma situação que eu.

Tinha um cara que ia fazer a mesmo coisa que eu, íamos de ônibus até o Termini e de lá pegaríamos outro ônibus até Ciampino. Era o jeito mais barato. O problema é que quando chegamos no Termini, tava uma zona, tudo lotado, não tinha lugar em ônibus para ir pro aeroporto. Para não perder o voo decidimos rachar o táxi.

Pegamos aqueles táxis que ficam atrás do Termini mesmo, estávamos entrando no táxi e aparece um cara arrastando uma mala e pergunta se dá pra ir com a gente.

Na hora eu falei, vambora, ia economizar mais uma grana! E daí o mafioso do taxista sai do táxi e fala que não ia levar o cara, que não podia combinar de ir junto. Eu achei absurdo, argumentei que pra ele não mudaria nada. Ele bateu o pé e falou que não ia levar. Daí falei que a gente ia trocar de táxi então. E o cara fala que nenhum taxista ia levar a gente. E os outros confirmaram. Farabutto!

O cara viu a confusão e desistiu, o cara que tava comigo também achou melhor arregar pro taxista mafioso, pois já estávamos em cima da hora e acabei aceitando e indo com o mafioso mesmo.

Mas vou te falar, naquela hora quase que eu corto a garganta daquele figlio dun cane!

La mafia non esiste! Sei…

Compartilhe!

Você também vai gostar

Close